Dúvidas Mais Frequentes


Por que muitas pessoas desistem de frequentar academia logo no início?


Por que tanta desistência? Teorias antigas tentam listar os inúmeros motivos para as pessoas não colocarem a atividade física entre suas prioridades. Pesquisando sobre o assunto na literatura, encontrei alguns fatores que pesam na tal força de vontade para começar e continuar uma prática regular de exercícios.

1. Estado de saúde. Se a pessoa está obesa, fuma ou tem problemas de humor, a probabilidade de permanecer num programa de exercícios tende a ser menor.

 

2. Sensação de “autoeficácia”. É mais fácil persistir quando a pessoa acredita que é capaz de realizar a tarefa.

 

3. Histórico satisfatório de prática física na infância. Gente que participou de atividades esportivas e lúdicas quando criança tende a gostar mais de se exercitar na fase adulta.

 

4. Motivação intrínseca. O prazer que a atividade em si proporciona faz uma grande diferença na vontade de voltar.

 

5. Apoio familiar e social. Se as pessoas a sua volta vêem com maus olhos sua rotina de exercícios, fica mais difícil manter esse hábito entre as atividades mais importantes.

 

6. Conveniência. Tudo que fica longe, envolve congestionamentos, custa caro, atrapalha os planos e dá mais trabalho do que se pode suportar vira forte candidato à rejeição.

 

7. Percepção de tempo disponível. Quem acha que não tem tempo para se exercitar tem mais dificuldade para reservar tempo para isso sem culpa.

 

8. Percepção de esforço. Sentir que o exercício está difícil demais para suas aptidões, causando muitas dores ou muito desconforto reduz a motivação.

 

9. O envolvimento do professor. Contar com alguém que acompanhe a evolução no treino e se interesse verdadeiramente por ela costuma manter a vontade de treinar em alta.

 

10. Ocorrência de lesão. Quem se machuca uma vez ganha um motivo para ficar com medo do exercício e evitar repeti-lo.

 

11. Recompensa. O tempo que os resultados desejados demoram para aparecer interfere na percepção do valor da atividade.

 

12. Chance de escolha. A diferença entre o que dizem que é preciso fazer e o que cada um tem vontade de fazer pode ser uma chave fundamental para a permanência.

 

13. Sensação de (in)segurança. Se a atividade envolve ambientes perigosos, como correr ou andar de skate à noite num bairro sem policiamento, ficar em casa vendo TV ganha pontos na disputa.

 

14. Facilidade de mudar de planos. Quem opta por somente correr na rua, por exemplo, fica à mercê do mau tempo. Ter alternativas à mão ajuda a mater-se ativo.

 

Os teóricos dizem que esses fatores nunca aparecem isolados. Quem desiste da atividade física normalmente tem vários desses motivos para não fazer nada. Obviamente, quem permanece também tem vários motivos para renovar seu interesse na atividade.

 

Além dos fatores acima, existem outros questionamentos importantes. Verifique se o iniciante:

 

1. Já se informou sobre todos os benefícios que a atividade proporciona?

 

2. Entendeu bem para que serve cada exercício?

 

3. Aprendeu alguma coisa com os professores?

 

4. Sentiu-se bom no que estava fazendo?

 

5. Tomou todos os cuidados para não se machucar?

 

6. Sentiu-se capaz de alcançar os resultados desejados?

 

7. Percebeu resultados positivos?

 

8. Evoluiu na performance?

 

9. Recebeu pelo menos parte de sua recompensa?

 

10. A recompensa que você espera é do tipo comer aquele doce? Se for, sugiro repensar seus objetivos e premiar-se com outro tipo de prazer.

 

11. Seu ambiente (casa, trabalho, bairro, cidade) induz mais à atividade física ou ao sedentarismo?

 

12. Alguém já criticou seu gosto pela atividade escolhida?

 

13. Seu chefe se cuida? Se ele entender a importância dos exercícios, poderá ver sua rotina saudável com melhores olhos.

 

14. Alguém está com você no objetivo de se cuidar?

 

Depois de identificar os problemas que estão atrapalhando a continuidade do treinamento, tente esboçar o que seria a uma atividade física ideal. Verifique com o iniciante:

 

1. Qual a distância ideal entre o local da prática e sua casa ou local de trabalho;

 

2. Quanto tempo gostaria de ocupar com a atividade, incluindo os deslocamentos, o banho, o lanchinho depois etc.;

 

3. Quais sensações gostaria de ter antes, durante e depois do exercício (diversão, desafio, relaxamento, poder etc.);

 

4. Quais resultados realistas gostaria de ter no longo prazo;

 

5. Como quer ser visto pelos professores em relação à atividade (o melhor, o mais esforçado, o mais obediente, o mais criativo etc);

 

6. Como quer ser visto pelos amigos, pela família e pelos colegas de trabalho depois de algum tempo de prática (que bom que está se cuidando/ olha como está forte/ deveríamos fazer o mesmo/ cuidado com esse cara etc.);

 

7. Que tipo de pessoa quer encontrar no local da atividade (seus amigos, seus vizinhos, gente da sua tribo, qualquer tipo de pessoa, gente jovem, gente bonita, gente culta, idosos etc.);

 

8. Que tipo de música quer ouvir durante a atividade;

 

9. Em que tipo de ambiente quer treinar (ao ar livre, com máquinas que fazem tudo por você, com TV a cabo e internet, numa sala isolada com incenso e almofadas, na sua casa etc.);

 

10. Que tipo de movimentos quer fazer (poucos, na posição sentada, deitada, acrobáticos, de dança, coreografados, ágeis, que envolvam força, que envolvam sair do chão, vôos, na água, que envolvam vento no rosto, com ou sem impacto, calmos ou frenéticos etc);

 

11. Que tipo de professor quer ter (nenhum, do tipo que grita, do tipo calado, do tipo que cobra e incentiva, do tipo que só anima, homem, mulher, do tipo amigo, do tipo general, do tipo que só bate papo e não liga pro treino etc.)

 

12. Que tipo de roupa e calçado quer vestir (quase nada, bota, luvas, descalço, saia, tutu, meia calça, roupas da moda, camiseta velha etc.);

 

13. Quais riscos está disposto a correr (nenhum, leves ou fortes dores musculares, dores articulares, queda livre, porrada na cara, osso quebrado, joanete, cabelo bagunçado, maquiagem borrada, cheiro de suor, roupa molhada, cansaço, não ter o corpo dos seus sonhos tão rápido quando gostaria ou nunca etc.);

 

14. Do que está disposto a abrir mão (dormir até tarde, dormir pouco, happy hour, ir para a balada na véspera, fazer hora extra, comer como um porco, beber como um universitário idiota, cuidar do filho por duas ou mais horas algumas vezes por semana, o título de cara mais trabalhador da firma, toda e qualquer preguiça, um certo dinheiro para gastar com outra coisa etc.).

 

 



Fonte:Portal da Revista Época, Jorn. Francine Lima



Avenida T-3, 1855 (nas dependências do Clube Oásis) - Setor Bueno, Goiânia - GO, 74215-110
Fone: (62) 3229-2202 | E-mail: cref14@cref14.org.br | Ouvidoria: ouvidoria@cref14.org.br
Atendimento de segunda a sexta-feira, das 8 as 17:00 horas
© 2016 CREF14/GO-TO